quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Lavoisier Wagner Albernaz




Lavoisier Albernaz, professor de Lingua Portuguesa e Literatura, poeta, amigo, diretor de filmes. Um homem incrivelmente inteligente com o qual tenho o prazer de dividir este planeta Terra. Meu eterno, adorado professor Lavoisier.


Paracatu Pede Passagem

Era uma vila morena
Toda enfeitada de penas
Nos congos, nas tapuiadas;
Negras desciam as calçadas
Nas noites enluaradas
Nos tempos do chafariz.
Toca o sino da matriz
A tarde cai de matiz,
No tempo feito de ouro,
Vila do Príncipe louro,
Que os anos se contradizem!
Hoje a cidade morena
Deixou de vestir as penas...
De cantar seu “Bangolê”;
Eu queria tanto ver
Seu nome virando um hino
E a terra de Afonso Arinos
Me transformou no menino
Qu’a viu, hospitaleira, crescer!
Tem um sobradinho ali,
De lá outro casarão;
No portão velho do templo,
Tem um sino com saudades,
Que repica com vontade,
Com vontade de voltar.
Amor não precisa idade
Hoje ela é dona do zinco!
Vem, passageiro, vem cá!
Temos amor pra dar,
Ouro também no Baú
Tem muita coisa que ver
Quem vem a Paracatu!
(Poema de Lavoisier Albernaz,
no livro Viagem absoluta, de 1985)