quarta-feira, 3 de julho de 2013

Teatro x Escola Em Tempo Integral - Artigo

MARIA TERESA OLIVEIRA MELO CAMBRONIO O TEATRO NA TURMA DO PROJETO DE EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL DA ESCOLA X. Paracatu/MG Novembro 2012 MARIA TERESA OLIVEIRA MELO CAMBRONIO O TEATRO NA TURMA DO PROJETO DE EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL DA ESCOLA X. Paracatu/MG Novembro/2012 Maria Teresa Oliveira Melo Cambronio O Teatro na Turma do Projeto de Educação em Tempo Integral da Escola X. Artigo apresentado ao Curso Pró-Licenciatura Artes Teatro, da Universidade Estadual de Montes – Claros – Unimontes, como exigência para obtenção do título de Licenciado em Teatro. Orientadora: Ms. Rejane Patrícia Santos Bonifácio Membros da Banca de Avaliação: Ms. Rejane Patrícia Santos Bonifácio Profª. Orientadora Esp. Marina Antunes Colares Profª. Convidada Esp. Rosa Maria Lopes Profª. Convidada Paracatu/MG Novembro 2012 RESUMO Este artigo tem como meta avaliar a importância das aulas de Teatro para melhoria da aprendizagem, da concentração e da socialização dos alunos que participam do PROETI (Programa de Educação Em Tempo Integral), tendo em vista que dentre os objetivos que norteiam as atividades aí desenvolvidas estão não só a ampliação do seu tempo de permanência na escola, evitando ficarem expostos aos perigos das ruas, mas também recuperá-los da insuficiência de aprendizagem, ampliando suas experiências. Foi desenvolvida pesquisa bibliográfica de campo de caráter qualitativo. Como instrumento de coleta de dados foi aplicado questionários para alunos e professora. Comprovou-se por meio da análise desses dados que as atividades teatrais surtem efeitos positivos na aprendizagem desses alunos, na maneira de pensar e agir, no relacionamento com o outro, tanto na escola quanto no convívio social. Evidenciou-se também que o professor tem um papel importante na vida dos alunos devendo, portanto, conhecê-los bem, ter seu planejamento em consonância com suas necessidades, bem como adequar os espaços em que as aulas de teatro acontecem. Palavras-chave: Teatro, aprendizagem, socialização, Projeto de Tempo Integral. 1. INTRODUÇÃO . As aulas de teatro deveriam fazer parte da exigência curricular de todas as escolas públicas e privadas devido a sua importância para a vida humana. O teatro é uma arte que acompanha o homem primitivo desde quando habitava nas cavernas. Esta arte foi um elemento importante na evolução do homem até os dias atuais, pois liga o homem à sua própria história de comunicação, assim como expressar o que sente e pensa. De acordo com Pinto (2007) para que a ampliação do tempo pedagógico aconteça deve-se fazer uma nova construção curricular, com foco na integração como meta de organização pedagógica da escola, como dinâmica do currículo da interdisciplinaridade e também do trabalho dos educadores. Essa matriz, segundo ela, requer oficinas na área artística, esportiva, motora e ainda na formação pessoal e social; dentro da escola será feita a opção de oficinas conforme a necessidade dos alunos. A escola de Tempo Integral segundo o que diz na cartilha da SEE/MG (2009) foi idealizada por Anízio Teixeira há cinco décadas. Essa concepção integral de Anízio aprofundou-se embasada no pensamento de John Dewer, na prática continuada, na compreensão de que o homem se forma e tem seu desenvolvimento na ação, na educação de aprendizagem formal. Nesta cartilha ressalta-se ainda que, no estado de Minas Gerais o Projeto de tempo Integral foi implantado em 2005 pela Secretaria De Estado da Educação, como componente do Projeto Escola Viva, Comunidade Ativa com objetivo de atender as necessidades dos alunos das escolas estaduais públicas com objetivo de melhorar o desempenho escolar, expandir os conhecimentos, as experiências artísticas, culturais, tirar os alunos dos perigos das ruas aumentando seu tempo de permanência na escola. Além disso, as atividades exigidas devem ser criativas e prazerosas, fazendo a diferença para os alunos com dificuldade de aprendizagem e autoestima baixa. Este artigo tem o objetivo de analisar a importância das aulas de teatro em uma escola de tempo integral, avaliando também o quanto a gama de modalidades desta arte é primordial na melhoria da aprendizagem, na concentração, na melhoria da autoestima e socialização dos alunos. Este estudo permite uma análise de como as aulas de teatro acontecem, em que espaços elas ocorrem na escola, que atividades são mais utilizadas e que benefícios trazem aos alunos. O que me instigou a realização dessa pesquisa foi a existência do projeto na escola desde 2011 e a exigência das atividades de teatro na sala de Tempo Integral pela SEE-MG. A exigência feita por ela oportunizou a escola fazer a escolha das atividades. Neste estabelecimento de ensino, optaram pelas atividades artísticas e motoras. Dentre essas atividades estão artes visuais, dança, música, teatro, atividades para conhecer o corpo, esportes, jogos, lutas e atividades rítmicas. De acordo com Maurício (2007) um dos destaques dos programas de educação em tempo integral é: reconhecimento do ser como um todo, levando-o a ter desenvolvimento afetivo, cognitivo, físico e na sociedade em que está inserido, sendo a integridade bem diversificada e em situações diferenciadas. Outro pressuposto é a ampliação do tempo de permanência na escola para que os estudantes tenham igualdade de educação, comparadas pelo menos a classe média, pois na maioria das vezes o adolescente desde criança recebe como dotes, pelo próprio pai que é carente socioculturalmente. Daí necessita de tempo para receber hábitos, valores, conhecimentos para exercer seu papel como cidadão. 2. - IMPORTÂNCIA DA ARTE TEATRAL NA EDUCAÇÃO O teatro é uma atividade existente desde o homem primitivo. Naquele tempo, eles reuniam em torno da fogueira perto de suas cavernas, dançavam, cantavam para comemorar o nascimento de um filho, representação de lutas entre tribos e fartura em colheitas. Peixoto (1994) relata que as fundamentações do teatro foram objetos de uma gama de especulações. Mas que todos frisam principalmente em dois pontos irrecusáveis que desde ainda pequenos, os seres humanos sentem necessidade do jogo, da brincadeira na ânsia de ser o outro, de imitar animais, de representar a si mesmo fazendo inclusive uso de máscaras. Segundo Monte (2012), o teatro evoluiu com as homenagens ao Deus Dionísio que deu seus ensinamentos a humanidade no cultivar e no fazer o vinho. Daí o teatro passando por fases seguiu evoluindo e criou-se novas formas de interpretação, em consonância com a sociedade que faz uso dele, como na Grécia, em que a arte teatral tinha função de modificar o estado de consciência de quem o assistia provocando cartase (purificação), ou seja, o teatro tinha cunho cívico e religioso, com intuito de ensinar algo ao homem. No Brasil, utilizam-se o teatro como elemento de aprendizagem desde os tempos em que os jesuítas vieram para cá com fim de evangelizar, ou seja, instruir os índios. Nos tempos atuais, segundo Oliveira (2011) mesmo com as mudanças que ocorreram nos séculos XX e XXI, no âmbito artístico nas escolas, o estudo do teatro como linguagem ocorre em pouquíssimas instituições e em alguns casos encontram-se professores utilizando-se do teatro como estratégia metodológica para ensinar conteúdos de história, português, filosofia dentre outros. Às vezes diz ela, situações como essa são os únicos contatos dos alunos com a linguagem teatral. Raramente no contexto social, os alunos têm contato com produção teatral, e se parte dessa carência fosse suprida pela escola, teriam situações diferentes na vida do aluno. Quando pensamos na exceção e tomamos como referência, para nossa reflexão, o pequeno grupo de escolas que oferecem a disciplina de teatro a seus estudantes, a situação muda um pouco, mas as dificuldades e desafios ainda são numerosos. Em muitas escolas as aulas de artes e teatro são destinadas a complementação da carga horária dos professores. O professor que está com a carga horária incompleta pode então, ser da área de geografia, biologia, educação física ou qualquer outra e acaba escalando para dar aulas de teatro, já que em muitos casos a disciplina é considerada somente um momento de recreação em que alguém fica tomando conta dos alunos ( e aqui não falamos de recreação no sentido frutífero de tempo para exercitar a ludicidade, mas sim no sentido pejorativo de momentos em que alunos e alunas não estão sendo desafiados a crescer). (OLIVEIRA, 2011, p. 14). Situações como estas citadas acima têm que ser discutidas pelas políticas educacionais, pois o teatro não pode ser resumido apenas a servir as demais disciplinas, pois é uma área do conhecimento específica e merece destaque e respeito tanto quanto as outras disciplinas do currículo. O teatro na escola deve acontecer como elemento de crescimento, de desafios e de aprendizagem, ainda que minimamente, a utilização do teatro deve interferir e fazer a diferença na maneira do aluno conviver socialmente, como deve acontecer na sala de tempo integral. A arte teatral atualmente, embora não faça parte das grades curriculares da maioria dos espaços formais de educação é uma das atividades fundamentais que ocupam diversos papéis desde o tempo do filósofo Platão, que acreditava que o teatro era um dos alicerces de toda educação natural. De acordo com o que está escrito no PCNs – Arte (1997), o Teatro tem como base a experiência de vida do aluno levando em conta ideias, conhecimentos e sentimentos, tendo sua ação, a ordenação dos conteúdos tanto individuais quanto grupais no desenvolver da socialização. A arte teatral na escola dá aos adolescentes e adultos, condições de encontrar-se em situações culturais diferentes e em momentos também diferentes da história, dando oportunidades a eles de produzirem artes em grupos, permitindo-os buscar soluções de criação, de imaginação de cenas percebidas no seu dia a dia recriando seus sentimentos e ideias. No documento PCNs relata ainda que através das atividades teatrais na escola, o aluno aumenta a capacidade de conversar, negociar, tolerar e conviver com a diversidade cultural. Neste processo de construir a linguagem teatral, o adolescente cria com seus semelhantes uma relação de trabalho em conformidade com a imaginação. Peixoto (1994) relata que as fundamentações do teatro foram objetos de uma gama de especulações. Mas que todos frisam principalmente em dois pontos irrecusáveis que desde ainda pequenos, os seres humanos sentem necessidade do jogo, da brincadeira na ânsia de ser o outro, de imitar animais e de representar a si mesmo. Desde criança o ser humano, sente necessidade de representar o que acontece a sua volta. Na escola de tempo integral, com as aulas de teatro, as possibilidades para que isso ocorra é bem maior por causa contextualização de diversos conteúdos do currículo. Com tempo maior as condições tornam-se favoráveis. Na escola em que a pesquisei, nas aulas do período da manhã os alunos têm as atividades extras incluindo o teatro e à tarde elas veem os conteúdos normais do currículo. 3 - EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL E O TEATRO A Escola de Tempo Integral, idealizada por Anísio Teixeira desde 1920, como proposta de educação transformadora vem tomando força no Brasil desde então. De acordo com Cavaliere (2010), a educação integral, significando uma educação completa em seus trabalhos sociais e culturais Fez-se presente em diferentes propostas de variadas correntes políticas com objetivo de formar cidadãos, como nas correntes liberais que se destacou Anísio Teixeira por sua significativa criação teórico e técnica, objetivando a ampliação das escolas nas suas funções tornando-as mais sólidas como instituições. Conforme consta na cartilha, Escola de Tempo Integral da SEE/MG (2009), a educação em tempo integral desde as décadas de 20 e 30 do século XX, esteve à frente de várias correntes políticas dando ênfase à educação que abrange o trabalho social e cultural. Anísio Teixeira fez parte das correntes liberais e teve um trabalho significativo na elaboração teórica e técnica do projeto, com objetivo na ampliação das funções da escola e a sua força como instituição. Pinto (2007) ex Secretária de Educação SEE/MG, relata que no Estado de Minas Gerais, a implantação do modelo de Anísio Teixeira, deu-se desde 2005. Aconteceu agregado ao Projeto Escola Viva Comunidade Ativa com ênfase no atendimento das escolas estaduais, com objetivo de tornar melhor a aprendizagem e ampliar o universo artístico, cultural, esportivo, aumentando o tempo de permanência do aluno no ambiente escolar. O que espera-se do Projeto de Escola em Tempo Integral (PROETI) é o oferecimento de novas oportunidades para os alunos exercerem seu papel como cidadãos, ou seja, uma escola em que o aluno tenha um melhor aprendizado, que ele progrida, superando obstáculos, enfrentando novos desafios com êxitos em seus estudos. Esta modalidade de ensino segundo a SEE/MG requer toda a comunidade escolar, professores, pais, membros da escola, num planejamento que assegure aos alunos um atendimento que supra suas carências educativas, para que haja desenvolvimento das ações, com bastante aproveitamento das intervenções pedagógicas desde o diagnóstico até os conteúdos e atividades a serem trabalhadas. O Projeto de Tempo Integral deve atender as necessidades educativas dos alunos que têm dificuldades em aprender os conteúdos do currículo levando a eles outras atividades, incluindo o teatro, levando-o a aumentar suas experiências, valorizar a autoestima, autoconfiança e melhorar sua relação com outros de sua espécie e que vá ainda ao encontro da cidadania plena. Em Paracatu, MG, na escola em que realizou-se a pesquisa, o Programa de Tempo Integral foi implantado em 2011 devido a grande quantidade de alunos com defasagem na aprendizagem. Em 2012 formou-se duas salas com 25 alunos em cada uma delas, totalizando 50 alunos. Dentre a sugestão de matriz curricular de tempo integral desta escola, segundo relatos da professora estão presentes no currículo atividades de linguagem matemática, atividades artísticas, motoras e esportivas, atividades de formação pessoal e social. Práticas que abordam um trabalho diferenciado que estimulam os alunos a permanecerem na escola em tempo integral e, que desta forma, contribui com a redução da evasão escolar. O papel do teatro na escola de tempo integral é servir como instrumento pedagógico que surta efeitos positivos no desenvolvimento dos alunos, no desempenho escolar, agregando valores, tornando as aulas momentos de prazer, ludicidade e aprendizagem trazendo ao aluno interesse por sua vida escolar. Conforme Arcoverde (2008) uma ideia fixa existe de que o indivíduo tem estágios para que se torne um adulto sadio. A índole do ser humano começa a ser formada quando ele ainda é pequeno. Dessa forma uma quantidade de pessoas crê que tudo acontece em volta do indivíduo deva ter algum aprendizado e que também adquira valores. Por isso, ela acredita que é no teatro que reproduzem cenas que irão fazer a diferença na vida do ser, podendo fortalecê-lo em cada etapa que vai avançando. O teatro precisa ser levado à sala de aula como arte, assumindo o seu papel como obra de arte. Através dele, a criança vai deparar com as mais antigas manifestações culturais, e diante dessas manifestações culturais, aprenderá e verá que o teatro discute sempre questões existenciais do homem no mundo. É dentro dessa perspectiva que o teatro tem sua função estética, cartática, questionadora, transformadora, política e social uma obra de arte enquanto atividade artística que expressa o homem e seus sentimentos. (ARCOVERDE, 2009, P.608). Várias modalidades teatrais são sugeridas como atividade do planejamento na sala de tempo integral. Dentre elas estão: jogos teatrais, improvisações de cenas, com músicas, poesias, contos e fábulas e ainda atividades com teatro de fantoches e dedoches, que são encenações com a utilização de bonecos feitos com feltro, pano ou outros materiais. Para utilizá-los coloca-os nas mãos e nos dedos. Fica a critério da professora do tempo integral, a escolha das atividades. De acordo com Japiassu (2008) jogos teatrais são procedimentos lúdicos com regras explicitas. Eles são exemplos de atividades que ajudam os alunos conseguirem melhores aprendizados, desenvolverem a coordenação motora e interagirem socialmente com outras pessoas, mesmo que não sejam do mesmo grupo. Os jogos teatrais então facilita a aprendizagem, pois os jogadores concentram-se no orientador para entender as regras do jogo, além disso, desenvolve o raciocínio e a oralidade. Segundo Spolin (1979) comentado por Koudela (2009), a atuação teatral deve acontecer por via jogos, porque dessa forma os alunos desenvolvem um aprendizado embasado na interdisciplinaridade onde são abordadas questões como violência doméstica, pedofilia e expressão social. Pode-se destacar também que as performances teatrais tem seu valor no ensino/aprendizagem. As performances teatrais tem um grande valor também na realização das aulas de teatro no ensino de tempo integral, pois estimula os alunos na atenção às aulas fazendo com que o ele sinta-se bem á vontade, valorizando as aulas porque é colocado frente ao diálogo, à interação, à coletividade trazendo progresso no seu processo de aprendizagem. Segundo Japiassu, ”Por meio da participação do sujeito em performances artístico estético estílicas, o teatro ajuda as pessoas a se desenvolverem culturalmente, bem como emocionalmente e socialmente”. (JAPIASSU, 2008, p. 59). Atividades como estas são essenciais na sala de tempo integral também, porque ajudam a ampliar o desenvolvimento da capacidade crítica dos adolescentes dando-lhes oportunidades de comunicação e condições de estabelecerem autoconfiança para discutirem o que aprenderam de forma mais natural possível. 4. ABORDAGEM METODOLÓGICA Com intuito de analisar a aprendizagem dos alunos da sala de Tempo Integral da Escola pesquisada, com utilização das aulas de teatro e efeitos das mesmas na melhoria da vida escolar e social desses alunos, fez-se por meio de pesquisa qualitativa, descritiva, utilizou-se questionários com 9 perguntas objetivas, Dentre os 25 alunos, 9 que tinham leitura fluente foram escolhidos pela professora, para individualmente responderam esse questionário a partir das alternativas apresentadas. Para a professora utilizou-se também questionário composto de 10 questões objetivas. Dados do questionário respondido por ela foram analisados junto com os dados dos alunos. A professora teve muito cuidado ao selecionar os alunos que responderiam o questionário, para que os demais estudantes da sala não se sentissem inferiores. Ela pediu à professora de Educação física que ficasse com os outros alunos presentes naquele dia. A professora permaneceu na sala conosco. Assim que os alunos acomodaram-se, pedi que tirassem caneta e papel para responderem um questionário muito importante que iriam nortear o trabalho com um artigo sobre o teatro na sala de tempo integral. Assim que responderam entregaram-me. As questões abordadas foram bem óbvias, de fácil entendimento para a sala de tempo integral, o que facilitou aos alunos responderem os questionários sem problemas. . 5. APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Sobre a quantidade de aulas de teatro que os alunos assistiam por semana, o resultado obtido foi que: 10% dos entrevistados responderam que a aula ocorria 1 vez por semana, 20% que as aulas ocorriam duas vezes por semana, 70% responderam que aconteciam mais de duas vezes semanais, já a professora da turma marcou a opção que as suas aulas de teatro acontecem mais de duas vezes por semana, o que condiz com a afirmação da maioria dos alunos. A análise dos dados cuja pergunta foi sobre o interesse dos alunos pelas aulas de teatro, 90% acham as aulas de teatro interessantes e 10% responderam que às vezes acham as aulas interessantes. Ninguém marcou que não se interessam pelas aulas. No item analisado mostra que as atividades teatrais são elementos que propicia ao aluno interesse e foco nos conteúdos dados. No ensino de escola em tempo integral é regra contextualizar os conteúdos trabalhados com as atividades propostas de forma apreciação das aulas. Ao trabalhar os temas transversais artes, pluralidade cultural e sexualidade, educação física, geografia e história, meio ambiente e saúde, língua portuguesa e matemática, vê também a necessidade dessa contextualização de conteúdos. Segundo o que diz Grispino (2009), a escola deve buscar temas para serem trabalhados com os alunos, que tenham ligação com a vida dele. Se o conteúdo for de seu interesse, ele passa ter apego com a aprendizagem, não separando sala de aula de sua vida fora do contexto escolar. A escola segundo ela deve ser lugar de cultura viva, acontecendo inclusivamente com aulas, nas diferentes performances culturais, que haja diálogo e envolva a inteligência crítica do aluno aguçando sua criatividade, interesse e entusiasmo pelo que aprende. Analisando a relação do aluno com o outro aluno nas aulas de teatro, as proporções foram as seguintes: Não houve marcação para ruim, 20% dos alunos entrevistados consideram a relação com o colega regular, 30% marcaram a opção boa e a metade dos alunos, ou seja, 50% consideram que a relação com o colega de sala é ótima. A professora, na pergunta em que aborda o relacionamento dela com os alunos, marca a opção ótima. Ela respondeu um sim, na questão que pergunta se o teatro melhora a relação dos alunos com outras pessoas de seu convívio social. Fazendo uma associação envolvendo a pergunta sobre relação dos alunos com a professora nas aulas de teatro, 10% deles consideram ruins; 50% consideram boas e 40% disseram que a relação com ela é ótima. Pelas análises feitas, a metade dos alunos tem um bom relacionamento com outras pessoas e menos da metade considera a relação ótima, apontando através da analise dos dados que de forma geral, o teatro proporciona interação com o outro. Conforme o que relatou Lopes (2009), os alunos, ao longo dos anos na escola, vai montando seu próprio modo de conviver com o outro. De acordo com o passar dos tempos, das vivências, das experiências, a sala de aula passa ser o espaço de convivência, de relações diversas, de ideias, de valores, maneiras e crenças. Em todo processo de aprendizagem humana, a interação social e a mediação do outro tem fundamental importância. Na escola, pode-se dizer que a interação professor-aluno é imprescindível para que ocorra o sucesso no processo ensino aprendizagem. Por essa razão, justifica-se a existência de tantos trabalhos e pesquisas na área da educação dentro dessa temática, os quais procuram destacar a interação social e o papel como requisitos básicos para qualquer prática educativa eficiente. (LOPES, 2009, P. 5). Segundo Maciel e Pulino (2008) a utilização do teatro em sala de aula é de grande importância para a formação dos jovens. Para eles os adolescentes quando estão formando suas personalidades e orientando-se em seu grupo de convívio escolar e na sociedade, procuram relacionar-se com outras pessoas de sua idade em maior número e com pessoas de maior idade em menor número. E na escola isso acontece porque o aluno permanece a maior parte do tempo nela. “É muito importante para o desenvolvimento que o indivíduo se relacione com os outros, vá à escola, conviva socialmente, e a partir daí, promova assimilações e acomodações em suas estruturas psíquicas”. (MACIEL E PULINO, 2008, p. 66). Esses autores falam também, que os seres humanos tornam-se completos quando envolvidos com a cultura e eles fazem sua individualização relacionando-se com outros de sua espécie, no caso na escola, o professor é quem introduz os padrões de comportamentos daquele momento. Levando em conta a indagação: As atividades teatrais lembram os fatos que os alunos vivem no seu dia a dia obteve-se o seguinte resultado: 80% dos alunos responderam que sim, 20% dos alunos responderam que às vezes. Não houve negativas para resposta desta pergunta o que veio confirmar o afirmado pelo PCNs Arte: O teatro promove oportunidades para que adolescentes e adultos conheçam, observem e confrontem diferentes culturas em diferentes momentos históricos, operando com um modo coletivo de produção de arte. Ao buscar soluções criativas e imaginativas na construção de cenas, os alunos afinam a percepção sobre eles mesmos e sobre situações do cotidiano. (BRASIL, 1998, p.88). Sobre a atenção dos alunos de tempo integral nas aulas de teatro, os resultados foram os seguintes: Dentre os 10 alunos entrevistados, 70% confirmam-se atentos às aulas de teatro, já os outros 30% disseram que prestam atenção às vezes às aulas. Ninguém disse que não assiste às aulas. Fazendo um paralelo com a pergunta 7 em que foi indagado a professora, se as aulas de teatro propiciam ao aluno melhor aprendizado, disciplina e concentração. Houve coerência da resposta dela com a maioria dos alunos, pois ela respondeu que sim que propicia. O que pode-se observar é que a maioria dos alunos tem a atenção as aulas de teatro, o que apresenta satisfatório. A maioria dos alunos que tem dificuldade de aprendizagem tem também dificuldades em prestar atenção nas aulas. As aulas de teatro devem propiciar aos alunos essa capacidade de atenção e interesse uma vez que segundo a SEE/MG, as aulas devem estar adequadas ao currículo e a realidade dos alunos de tempo integral. Perguntou-se em quais os espaços da escola que a professora utiliza para dar as aulas de teatro, os alunos sentem-se mais à vontade. 30% dos alunos responderam que se sentem a vontade nas aulas que são dadas no pátio, 70% se sentem a vontade quando as aulas acontecem na sala de vídeo ou na biblioteca. Na sala de aula ninguém respondeu que se sentem à vontade. A professora respondeu em sua entrevista que em sua opinião, os espaços da escola para a realização das aulas de teatro são inadequados. Nesta situação confirmou-se que mesmo os espaços da escola sendo inadequados às aulas são utilizados pelo professor. De acordo com as regras da Cartilha do Programa de Tempo Integral da SEE/MG (2009), para que as aulas aconteçam de forma prazerosa e lúdica é necessário organizar o espaço escolar: É fundamental para a escola que oferece a opção curricular de tempo integral organizar seu espaço escolar, horário de aula e as atividades de enriquecimento curricular de modo assegurar práticas pedagógicas que aprimorem a qualidade do ensino e o atendimento às necessidades de aprendizagem dos alunos. A escola de tempo integral deve utilizar os seus espaços de forma a propiciar aos alunos diferentes formas de interação, usando a biblioteca, laboratório, cantina, quadra poliesportiva, espaços cedidos por parceiros do projeto, dentre outros, de uma forma prazerosa e estimulante. (SEE/MG, 2009 p. 9) Segundo Oliveira (2011), outros grandes problemas que as escolas enfrentam é a ausência de lugares com adequação para as aulas de teatro. A maioria das aulas ela diz; acontecem na própria sala de aula, em outras salas da escola e ainda no pátio da escola, professores e alunos tendo que procurar espaços para as aulas, enfrentando obstáculos como, mesas, cadeiras, sujeiras. Na concepção dela o tempo passa só em contornar estes obstáculos. Avaliando como os alunos se sentem nas aulas de teatro, 90% responderam que sentem-se à vontade nas aulas, 10% responderam que sentem-se envergonhados. Todos os alunos assistem às aulas de teatro. As atividades teatrais de acordo com as normas da SEE/MG devem ser dinâmicas, prazerosas e que aconteçam tanto individual quanto coletivamente melhorando assim, a comunicação dos alunos. O que é defendido por Monte (2012): A arte é libertária e o teatro é sem dúvida, uma das expressões libertárias por excelência. A possibilidade de poder viver sentimentos e situações sem barreiras de tempo e de espaço, de presenciar fatos de verdade ocorridos ou apenas existentes na imaginação do autor, possibilita o resgate do ser e da sociedade. (MONTE, 2012, p. 36). Analisando os dados das outras questões respondidas pela professora; ela pontuou com sim, as seguintes indagações: A arte teatral na sala de aula de tempo integral influencia no desempenho do aluno? O teatro propicia conhecimentos, vivências interdisciplinares que aumentam a aprendizagem do aluno de tempo integral? O teatro propicia ao seu aluno construção do conhecimento? O que é afirmado por Miranda, Elias, Faria, Silva e Felício (2009). Nesse sentido, o teatro tem um papel importante na vida dos estudantes, uma vez que, sendo devidamente utilizado, auxilia no desenvolvimento da criança e do adolescente como um todo, despertando o gosto pela leitura, promovendo a socialização e, principalmente, melhorando a aprendizagem dos conteúdos propostos pela escola. Além disso, sob a perspectiva de obra de Arte, o teatro também incomoda, no sentido filosófico, porque faz repensar e querer modificar a realidade instaurada. Ademais, possui caráter lúdico e constitui-se como forma de lazer. (MIRANDA, et al. P.5, 2009). Na penúltima questão perguntou-se a professora, se ela fez cursos de treinamento para dar aulas de teatro no projeto de tempo integral. Ela respondeu que fez vários cursos. De acordo com a Cartilha de Tempo Integral da SEE/MG (2009), uma das atribuições do professor de tempo integral é a participação em cursos de capacitação promovidos por ela, como formação continuada. O professor deve ser bem preparado para atender aos alunos de tempo integral. Ele tem um papel importante na vida escolar desses alunos. Tem que ser conhecedor de sua vida escolar, para que seu planejamento esteja em consonância com as necessidades educativas deles. Os materiais e as atividades propostas devem ser atrativos para chamar atenção, assim como para melhorar o comportamento e o interesse às aulas provocando melhoras significativas em seus aprendizados e na relação com o outro. 5. CONCLUSÃO Conclui-se que o uso do teatro na sala de tempo Integral da Escola X surte efeitos positivos na vida escolar de seus alunos favorecendo melhorias na aprendizagem possibilitando alcançarem novas experiências nos seus cotidianos. Evidenciou-se que as atividades teatrais na sala de tempo integral desenvolvem no aluno alicerces fundamentais à sua formação ajudando melhorar sua vida escolar agregando valores, mudando a maneira de pensar, tornando as aulas prazerosas, interessantes, dinâmicas levando os discentes conviverem com diferentes culturas, dialogando e interagindo com o próximo, concentrando-se na aprendizagem dos conteúdos, levando-os a resolver facilmente conflitos na sala de aula, no ambiente escolar como no meio em que está inserido. O teatro na sala de aula de Tempo integral oferece ação coletiva e integradora aos alunos. As várias formas teatrais como os jogos teatrais, jogos dramáticos, fantoches, dedoches, improvisações e performances³ surtem efeitos positivos na socialização e na aprendizagem dos alunos desenvolvendo o imaginário, a criatividade, quebrando a timidez e além de tudo auxiliar na solução de problemas em seu limiar. O professor deve ser preparado para ser o mediador entre o conteúdo escolar e o que vai-se trabalhar nas aulas de teatro para as tornarem desafiadoras, prazerosas, contextualizadas contribuindo assim para melhoria do desempenho escolar, socialização, aumentando a baixa autoestima dos jovens estudantes, bem como evitar a evasão escolar. Neste caso ele deve ser conhecedor das atividades teatrais contextualizadas com os demais conteúdos, participando de cursos a ele oferecidos pela SEE/MG ou pela própria escola buscando ainda, aprendizado em diversas fontes, já que no caso desta escola, a professora não tem habilitação para ministrar aulas de teatro. Revelou-se por meio deste estudo que, apesar do esforço do professor e dos alunos, há necessidade também na escola, de espaços apropriados para as aulas de teatro, principalmente se tratando de espetáculo com cenários maiores e dança. O professor é considerado um herói, utilizando os espaços teatrais que a escola oferece. Mesmo com as dificuldades, o teatro tem significado real na sala de Tempo Integral da Escola X. As atividades propostas possibilitam aos alunos alcançarem o exercício do imaginário, da descoberta, da relação com o outro com aprendizado para a vida, mesmo fora do contexto escolar. Esta pesquisa servirá como meio de reflexão para muitos profissionais da educação interessados nas discussões das possibilidades positivas das aulas de teatro na formação de cidadãos que, futuramente formarão uma sociedade sólida e consciente. ABSTRACT This article aims the importance of theater classes and its forms on improving learning, concentration and socialization of students in PROETI of School Altina de Paula Guimaraes in Paracatu, we took into account also, that the theater is one of the activities included in this project, the objectives are PROETI; improvement in student learning, take them out of risk the dangers of the streets, extend their time of stay in school and beyond that, recover them of the learning failure, expanding their experiences. This study of this field and descriptive liturature was developed through questionnaires addressed to students and the teacher from PROETI. That article also discusses the spaces where theater classes take place in the school and the function of the teacher in the room full-time. It was proven through this study that students in the full-time room in this Paracatu's school, theatrical activities makes positive effects on learning, thinking and acting, in relationship with each other, both in school and in social living together. The teacher has an important role in students' lives, should know them well, have planning in line with their needs and adapt the spaces in which the acting classes happen. REFERÊNCIAS ARCOVERDE, Silmara Lidia Moraes. – PUCPR, A Importância do Teatro Na Formação da Criança. Disponível em: . Acesso em: 06 de ago. 2012. CAVALIERE, Ana Maria, Questões Sobre Uma Proposta Nacional De Gestão. Disponível em: . Acesso 11 de ago. 2012. GRISPINO, Izabel Sadalla. Conteúdo Significativo Atrai o Aluno. Disponível em:. Acesso em: 22de ago. 2012. JAPIASSU, Ricardo. Metodologia do Ensino de Teatro – 7. Papirus Editora, 2008. KOUDELA, Ingrid Dormien – Jogos Teatrais – 7. Ed-São Paulo: Perspectiva, 2009._ (Debates; 1897/dirigida por J. Guinsburg) JR, Rubens; SOARES, Rosana; ARAUJO, Luciana. Estudos de cinema Socine Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual. Disponível em: Acesso em 29 de Nov. 2012. LOPES. Rita de Cassia.A Relação Professor Aluno No Processo Ensino-Aprendizagem. Disponível em:. Acesso em: 23 de ago. 2012. MACIEL, Diva; PULINO, Lúcia Helena. Licenciatura em Teatro. Módulo 5: A Psicologia e a Construção do Conhecimento – UNB – Brasília, 2008. MAURICIO, Lúcia Veloso. Escola pública em horário integral e inclusão social. Revista Espaço, n 27, jan/jun. 2007. MEIRA, José Normando. Revista do Departamento Métodos e Técnicas Educacionais da Unimontes, Educação, Escola E Sociedade, V.3; n.1 - ISSN 1983 – 2540 -. - Montes Claros, MG: Unimontes, Editora Unimontes, 2007. P. 34-41. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 130 P. MIRANDA, Juliana. et al. Teatro e a Escola, Funções, importâncias e Práticas. Revista CEPPG – Nº 20 – 1/2009 – ISSSN 1517 – 8471 – Páginas 172 a 181. Disponível em: . Acesso em: 14 de ago. 2012. MONTE, Francisco Antonio. O Ensino de Teatro na Escola Estadual de Educação Profissional Professora Luíza de Teodoro Vieira: Um Relato de Experiência. Disponível em:. Acesso em: 24 de set. 2012. OLIVEIRA, Joana Abreu. Licenciatura em Teatro. Módulo 28: Pedagogia do Teatro 2. Brasília, 2011. PARAMETROS CURRICULARES NACIONAIS – Artes – Terceiros e Quartos ciclos do Ensino Fundamental- Brasília – 1998. Disponível em: . Acesso em: 22 de ago. 2012. PEIXOTO, Fernando. O Que é Teatro. 13 ed. São Paulo: Nova Cultura Brasiliense, 1994 (Coleção Primeiros Passos). P. 12, 1994. PINTO, Vanessa Guimarães, Escola de Tempo integral – “Educação é Vida e Não Preparação Para Vida “-SEE/MG–2007.Disponível em: . Acesso em: 08 de ago. 2012. SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS. Escola de Tempo Integral.SEE/MG2009.Disponívelem: Acesso em: 22 de ago. 2012. SPOLIN, Viola. Improvisação Para o Teatro. São Paulo, Perspectiva, 1979.

domingo, 27 de janeiro de 2013

Paracatu do Príncipe

Paracatu do Príncipe

Cidade nascida de uma história bonita.
Felisberto Caldeira Brant e José Rodrigues Froes
Dois heróis
Famintos por ouro o louro amarelo.
Vila Morena de Lavoisier Albernaz
Atenas Mineira de Graça Jales
Meu Bem Querer de Olliveira Melo.
Inspiração do livros de Coraci Neiva
Berços das capoeiras de Oswaldinho
Do Pingo de Gente de Tia Lana
Do pré de Dona Aurora
Dos sonhos de muita gente
Cidade onde ecoa ainda
As cantigas de crianças
Dos tempos de minha infância.
Maria Teresa Oliveira Melo Cambronio (Homenagem à Paracatu, minha cidade natal

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Metade da Laranja

A metade da laranja Estive num velório de uma mulher que faleceu aos trinta anos. Encontrei um homem acompanhado de apenas um casal velando a senhora cujo nome será apenas fictício por motivos éticos. A chamarei de Anjo. Serafim contou-nos que estava sem rumo na vida. Ficava bebendo e dormia nas ruas de Paracatu. Ele disse-nos que quarenta dias atrás estava em um desses ambientes em que bebia, quando encontrou com um amigo que apresentou-o a uma mulher chamada Anjo, que também era moradora de rua e sofria da terrível doença " alcoolismo". O amigo disse a Serafim (nome fictício) que já que ele estava só, que a moça seria uma excelente companheira para ele no emprego que um casal muito bondoso ofereceu para ele numa fazenda longe da cidade. O rapaz disse que logo que bateu os olhos nela sentiu que algo mudaria a vida dele para sempre. Logo pegaram as poucas coisas que tinham e partiram para a nova vida que o casal de fazendeiros lhes oportunizaram. Anjo prometeu a Serafim que jamais colocaria bebida na boca e Serafim também não mais bebera. Os dias foram se passando e os dois cada vez mais envolvidos. Anjo ajudada por Serafim trabalhou muito plantando milho e outros alimentos, que seriam suficientes para suas subsistências dali para frente. O casal estava muito feliz , mas infelizmente ontem, dia 19 de janeiro de 2013, mais ou menos meia noite, Anjo reclamou de uma dor de cabeça. Serafim levantou com muito cuidado e carinho e fez um chá de boldo do Chile para ela. Deitaram-se e às quatro horas da manhã Serafim acordou com o grito de Anjo, cujo tempo só teve de abraçá-lo e colocar a mão em seu peito. Serafim levantou assustado acendeu o lampião e e notou que Anjo estava morrendo. Ficou sem saber o que fazer sentou-se ao lado da amada e chorou copiosamente. De repente levanta-se, monta em um cavalo e sai a procura de ajuda já que não tinha ninguém morando ali por perto. Logo mais encontrou-se com seu patrão que vinha da cidade para saber como estavam as coisas por lá. Ficou constatado a morte de Anjo, na perícia feita na cidade. Serafim disse que foi muito difícil encontrar parentes dela. Conseguiram apenas com os poucos dados que ela tinha dado ao contar as histórias de sua vida para ele durante esses quarenta dias. Vimos muita tristeza nos olhos do homem ao ver a amada ali naquele último adeus. As pessoas que vinham para o outro velório que estava no mesmo local ficavam impressionados com aquelas poucas pessoas ali velando aquela moça entravam e também rezavam pela alma dela. Apenas um anjo que encontrou com sua alma gêmea, a metade de sua laranja e que tiveram a oportunidade que fazerem-se felizes em tão pouco tempo. Que abençoe Serafim para que dê um bom rumo a sua vida e também de bençãos aos protagonistas que fizeram esse encontro acontecer. Maria Teresa O M Cambronio

domingo, 13 de janeiro de 2013

A vida é Deus

A vida é infinitamente bela, quando estamos em harmonia com o universo buscando sempre o amor de Deus nas mais simples obras da natureza. Deus é a fonte de toda beleza, nada há sem que ele toque com sua direita. Nossos olhos veem o que ele cria. Nossas almas apreciam em alegria. Devemos muitas graças a ele, pelo cheiro que se exala da planta, pelos sabores dos alimentos, pelas maravilhas que podemos ver e o calor que podemos sentir. Nosso Deus é fiel e maravilhoso! Milhões de graças a ele. Maria Teresa Cambronio criada na data 13/01/2013.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Palestra na EE Affonso Roquette

Fui convidada a participar da culminância do projeto de leitura da E E Affonso Roquette. A professora Maria José e demais professoras do 9° ano dessa escola fizeram um trabalho maravilhoso com poesias e textos de vários autores, inclusive os da cidade de Paracatu. Dei uma palestra falando da importância da leitura em minha vida. Incentivei-os estudarem e lerem para a vida. Foi mais uma tarde gratificante. Sempre há esperança para melhoria da educação dos nossos jovens e crianças. Maria Teresa Cambronio 08/11/2012

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Sou como aquelas rochas que só desmancham com a ação do tempo... ------------------------------ Só terei chances de ver o outro lado, se tiver coragem de enfrentar a viagem até lá. Maria Teresa O M Cambronio